ATENDIMENTOS FONOAUDIOLÓGICOS EM DOMICÍLIO OU INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA

Nova Resolução publicada nesta segunda-feira, 22 de junho, estabelece medidas e cuidados nos atendimentos fonoaudiológicos em domicílio ou instituição de longa permanência, na vigência dos riscos de contágio pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2). A determinação estipula que tais atendimentos deverão respeitar os decretos estaduais e municipais que disciplinam o distanciamento ou isolamento social.

Sobretudo, o fonoaudiólogo deve orientar o responsável pelo domicílio ou pela instituição de longa permanência quanto as recomendações sanitárias, a fim de minimizar a exposição a patógenos respiratórios, como o coronavírus.

O profissional, ao agendar as visitas domiciliares ou em instituição de longa permanência, deverá questionar se os pacientes, acompanhantes de quarto, familiares e/ou cuidadores que frequentam esses locais apresentam sintomas de infecção respiratória, como tosse, coriza, febre e dispneia.

Na presença de qualquer sintoma, o fonoaudiólogo deverá adiar a consulta para momento posterior à melhora da sintomatologia e os pacientes devem ser orientados a procurar o serviço de saúde, assim como demais orientações pertinentes.

Durante os atendimentos, todas as recomendações de higienização e biossegurança já emitidas pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia (CFFa), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e órgãos reguladores deverão ser cumpridas.

RESOLUÇÃO CFFa nº 577, de 19 de junho de 2020

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no whatsapp